DESTAQUESNotícias

Buenos Aires, Nápoles, Sevilha, Munique: veja homenagens a Maradona pelo mundo

Maior jogador da história da Argentina e lenda do futebol mundial, Diego Armando Maradona morreu nesta quarta-feira (25) aos 60 anos.

O governo da Argentina declarou luto oficial de três dias após a morte de Maradona. O corpo do jogador será velado na Casa Rosada, a sede da presidência argentina em Buenos Aires, a partir desta quinta-feira. Segundo a imprensa local, estima-se que cerca de 1 milhão de pessoas participem do funeral.

Na noite desta quarta, uma multidão saiu às ruas de Buenos Aires em plena pandemia para lamentar a morte.

Multidão saiu às ruas de Buenos Aires para chorar a morte de Diego Maradona — Foto: Agustin Marcarian/Reuters

O craque argentino sofreu uma parada cardiorrespiratória em sua casa na cidade de Tigre, na região metropolitana da capital. Conhecido como “El Pibe de Oro”, o jogador passou por uma delicada cirurgia no cérebro no começo do mês e recebeu alta oito dias depois, após drenar uma pequena hemorragia cerebral.

O médico Leopoldo Luque afirmou na ocasião que a cirurgia era considerada simples, mas havia preocupação pela condição de saúde do ex-jogador.

Maradona deixa três filhas (Dalma, Gianinna, Jana) e dois filhos (Diego e Diego Fernando) — e uma trajetória vitoriosa no futebol: ganhou a Copa do Mundo de 1986 com a seleção argentina e foi vice em 1990. Passou por grandes clubes, como Boca JuniorsBarcelona e Napoli, e atuou como técnico, inclusive dirigindo a equipe nacional na Copa de 2010.

Diego Maradona morre aos 60 anos na Argentina

Maradona salta para dar um soco na bola e marcar um gol sobre a Inglaterra nas quartas-de-final da Copa do Mundo do México, em 1986. O episódio do gol ilegal validado pelo juiz ficou conhecido por ‘A mão de Deus’ — Foto: El Grafico via AP/Arquivo

Campeão mundial na Copa do Mundo de 1986, quando ficou eternizado pelos dois gols que marcou contra a seleção da Inglaterra nas quartas de final, Maradona era reverenciado e tratado como Deus na Argentina.

“Muitas vezes me dizem: ‘Você é Deus’. E eu respondo: ‘Vocês estão equivocados’. Deus é Deus, e eu sou simplesmente um jogador de futebol”, afirmou o craque argentino em 1991.

Seu gol de mão contra a Inglaterra ficou mundialmente conhecido pela “mão de Deus”. O outro tento, em que Maradona driblou metade do time (inclusive o goleiro), foi eleito pela Fifa em 2002 como o mais bonito da história das Copas do Mundo.

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: