DESTAQUESNotícias

Vacina contra Covid é 90% eficaz, anunciam Pfizer e BioNTech

MAPLEWOOD (EUA) – A farmacêutica americana Pfizer disse nesta segunda-feira que sua vacina experimental foi mais de 90% eficaz na prevenção da Covid-19 com base em dados iniciais do estudo de fase 3, o final. A Pfizer e o laboratório de biotecnologia parceiro, BioNTech, são os primeiros fabricantes de medicamentos a apresentar dados bem-sucedidos de um ensaio clínico em grande escala de uma vacina contra o coronavírus. As empresas disseram que até agora não encontraram nenhuma preocupação séria com a segurança e esperam buscar autorização para uso de emergência nos EUA ainda este mês.

Se autorizada, o número de doses da vacina será inicialmente limitado. Muitas questões permanecem, incluindo por quanto tempo a vacina fornecerá proteção. No entanto, a notícia dá esperança de que outras vacinas em desenvolvimento contra o novo coronavírus também possam ser eficazes.

A vacina é testada no Brasil, junto com as candidatas da AstraZeneca/Universidade de Oxford (Reino Unido), Johnson & Johnson (EUA) e Sinovac Biotech (China).

“Hoje é um grande dia para a ciência e a humanidade”, disse Albert Bourla, presidente e executivo-chefe da Pfizer, em um comunicado. “Estamos alcançando este marco crítico em nosso programa de desenvolvimento de vacinas em um momento em que o mundo mais precisa, com taxas de infecção atingindo novos recordes, hospitais quase excedendo a capacidade e economias lutando para reabrir.”

A Pfizer espera buscar ampla autorização de uso emergencial da vacina nos Estados Unidos para pessoas de 16 a 85 anos. Para isso, será necessário coletar dados de segurança de dois meses sobre cerca de metade dos cerca de 44 mil participantes do estudo, esperados para o final de novembro.

Esta eficácia de proteção ao vírus Sars-CoV-2 foi alcançada sete dias depois da segunda dose da vacina e 28 dias após a primeira, anunciou o grupo americano em um comunicado conjunto com a empresa BioNTech.

O cofundador e presidente-executivo da BioNTech, Ugur Sahin, disse estar otimista de que o efeito protetor de sua vacina experimental COVID-19, desenvolvida em parceria com a Pfizer, duraria pelo menos um ano. “Devemos ser otimistas de que o efeito da imunização pode durar pelo menos um ano”, disse Sahin.

“Estou quase em êxtase”, disse Bill Gruber, um dos principais cientistas de vacinas da Pfizer, em uma entrevista. “Este é um grande dia para a saúde pública e para o potencial de nos tirar a todos das circunstâncias em que estamos agora.”

A Pfizer disse que a análise provisória foi conduzida depois que 94 participantes do estudo desenvolveram a Covid-19, examinando quantos deles receberam a vacina em comparação com o placebo.A empresa não detalhou exatamente quantos dos que adoeceram receberam a vacina. Ainda assim, mais de 90% de eficácia implica que não mais do que 8 das 94 pessoas que pegaram o coronavírus receberam a vacina, que foi administrada em duas injeções com intervalo de três semanas. A taxa de eficácia está bem acima da eficácia de 50% exigida pela Food and Drug Administration dos EUA (FDA, a Anvisa americana) para uma vacina contra o coronavírus.

Deixe seu comentário

%d blogueiros gostam disto: