A juíza titular da Vara de Entorpecentes da Capital, Michelini de Oliveira Dantas Jatobá, decretou a prisão preventiva de 33 investigados, acusados de pertencerem a uma organização criminosa envolvida com tráfico ilícito de drogas, associação para o tráfico e crimes contra vida, em João Pessoa e municípios vizinhos. A magistrada fundamentou os pedidos na garantia da ordem pública, de aplicação da Lei Penal e por conveniência da instrução criminal. Quanto aos que já se encontram recolhidos em penitenciárias, apenas não precisarão ser apresentados para audiência de custódia.

O decreto faz parte da Operação Hidra da Polícia Civil, cuja ação conjunta aconteceu, nessa terça-feira (4), em 15 unidades da federação. Na Paraíba, ela foi deflagrada pela Polícia Civil, através da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE/JP), em parceira com oito Promotorias Criminais de João Pessoa, com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público, Poder Judiciário, através da Vara de Entorpecentes da Capital, e Secretaria de Administração Penitenciária.

Foram cumpridos 19 Mandados de Prisão Preventiva, dos quais 11 investigados se encontravam soltos e oito, presos em unidades prisionais do Estado. Foram presos: Robson da Silva Santos, vulgo Bad Boy (26 anos); José Raelisson da Silva Aguiar (21 anos); Eduardo Rodrigues da Silva, vulgo Dudu (22 anos); Aurélio Freire da Cruz Júnior (23 anos); Adriano Pereira da Silva, vulgo Branco (35 anos); Ítalo Anderson Martins da Silva, vulgo Malvado (26 anos); Adriano Alves Martins (24 anos); Rustênia Myria Souza de Oliveira (30 anos); Maria Eduarda Rodrigues da Silva, Maga (19 anos); Maria Juliana das Neves, vulgo Ju (24 anos); Vinicius Kleber da Silva Trajano (22 anos).

Os que já se encontravam presos são: Keny Rogeus Gomes da Silva, vulgo Poeta (34 anos); Josielyton Manoel da Silva Nascimento, vulgo Jó (26 anos); João Marques Carvalho de Torres, vulgo Baby (26 anos); Welds Mendonça Tavares da Silva, vulgo Xôxo (26 anos); Raul dos Santos Pereira (22 anos); Bruno Roberto Barbosa da Silva (29 anos); José Carlos de Lima Pereira, Zé Carlos (31 anos); e Leandro da Mota Lima (33 anos)