O presidente Michel Temer ficou com a aposentadoria de ex-servidor do governo de São Paulo suspensa em novembro e dezembro do ano passado porque não fez a “prova de vida”, comparecimento anual para provar que está vivo.

Como qualquer outro beneficiário, Temer deveria ter se apresentado no mês de seu aniversário -setembro, quando ele fez 77 anos. A Presidência diz que ele não se submeteu ao recadastramento “por falta de tempo”.

Com isso, ele ficou sem receber nos dois meses o pagamento mensal de R$ 45 mil a que tem direito por ter sido procurador do Estado. Com o abatimento para adequar o salário ao limite do teto constitucional, o rendimento de Temer ficou em R$ 22,1 mil no mês de outubro, último mês em que o valor foi pago, segundo dados do Portal da Transparência. A informação foi publicada pelo jornal “O Globo”